Onde está o maior São João do mundo?

0

Tradicionais festas juninas de Caruaru (PE) e Campina Grande (PB) costumam competir pelo título. Fomos investigar o que há por trás de cada uma delas

São João de Campina Grande
Primeira noite do concurso de quadrilhas de Campina Grande (Emanuel Tadeu/Divulgação)
“Eu me criei matando a fome com tareco e mariola, fazendo versos dedilhados na viola por entre os becos do meu velho Vassoural.” Os entusiastas das festas de São João devem conhecer a música composta por Petrúcio Amorim que embala as noites de forró no Nordeste. O Vassoural citado na canção nada mais é do que um popular bairro localizado na cidade de Caruaru, no agreste de Pernambuco, município que se enche de orgulho ao se autoproclamar dono do Maior São João do Planeta. São tantas as representações da cidade nas músicas da época junina que fica difícil acreditar que exista uma “concorrência” para o título.

Mas a concorrência, além de existir, é forte: Campina Grande, no agreste paraibano, também afirma ser detentora do Maior São João do Mundo – esse é até o nome dado para a festa na cidade. Todo mês de junho, verdadeiras multidões são atraídas ao Parque do Povo, badalado ponto central que concentra as principais atrações do São João campinense.

As duas festas têm patrocínio do Bradesco e, somadas, devem atrair mais de 4 milhões de pessoas aos polos juninos durante os 31 dias de celebração deste ano.

Ó, linda flor, linda morena: Campina Grande, minha Borborema

São João de Campina Grande

(Emanuel Tadeu/Divulgação)

Com quase 408 000 habitantes, Campina Grande respira São João. As festividades de 2017 devem impactar em mais de 200 milhões de reais o PIB do município, segundo a Secretaria de Planejamento da cidade. A expectativa da prefeitura é que mais de 1,5 milhão de pessoas passem pela região. “Por incrível que pareça, do ponto de vista econômico, esta época gera muito mais impacto na cidade do que o período das festas de fim de ano, somando a movimentação econômica de restaurantes, comércio, hotelaria, entre outras”, ressalta o coordenador de comunicação do município, Marcos Alfredo.

As comemorações e homenagens tomam conta de Campina Grande desde o dia 2 de junho. Para animar a cidade e a região metropolitana, mais de 120 trios de forró foram contratados – os artistas que compõem a programação somam 500 apresentações durante os 31 dias de festa. Só o Parque do Povo, principal polo comemorativo, deve receber de 250 000 a 300 000 pessoas no fim de semana de São João, 24 e 25 de junho. O fotógrafo Igor do Ó será uma delas. “Todo mundo que mora aqui entra quase em ‘modo São João’, sabendo que vai lidar com turistas, vai ter festa todo dia e vai ver a cidade diferente por um mês, bem mais movimentada”, resume.

Além dos shows de artistas como Wesley Safadão, Alcione, Flávio José e Elba Ramalho, Campina Grande conta com a tradicional cidade cenográfica e a Locomotiva do Forró: um trajeto de uma hora e 40 minutos de trem entre a cidade e o município de Galante, durante o qual os passageiros podem aproveitar para dançar o autêntico forró pé de serra.

Outra grande tradição local é o casamento coletivo. A edição de 2017, realizada em pleno Dia dos Namorados, reuniu 120 casais no Parque do Povo. Mas nada supera o quadrilhão: mesmo sob chuva, 885 casais se reuniram pelo quinto ano consecutivo para manter o recorde de Maior Quadrilha Junina do Mundo.

A tradição da data está diretamente ligada à história da região. “O clima festivo do São João torna a cidade muito mais palpitante neste período porque tem uma relação muito próxima com nossas raízes culturais, principalmente com o interior, a zona rural e as comidas típicas. Há todo um clima diferente em função disso”, explica. A festa no Parque do Povo começou em 1983. O sucesso foi tamanho que, já no ano seguinte, o evento foi registrado no calendário da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur). Com patrocínio de entidades como o Bradesco, neste ano, ele vai durar um mês, terminando no dia 2 de julho.

Trinta dias antes do São João, as ruas de Caruaru já estão enfeitadas

São João de Caruaru

(Arnaldo Felix/Prefeitura de Caruaru/Divulgação)

Em Caruaru não é diferente: o povo se dedica de corpo e alma às festividades juninas, conta a professora Janaína Santiago. “O clima muda totalmente assim que se inicia junho, principalmente quando as pessoas veem o complexo onde a festa acontece ficando pronto. Elas enfeitam suas casas, preparam comidas típicas e até se vestem com roupas que remetem ao São João. Quem é daqui sabe a importância deste mês mágico”, reflete. “Magia” define bem o clima que toma conta da capital do forró de Pernambuco.

Em 2017, ele perdura entre 3 e 29 de junho. Mais de 400 atrações passam pela edição deste ano, que tem como tema Somos Todos São João. Sob o mote, as bandeiras da sustentabilidade e da diversidade ganham foco, com atenção especial para questões de acessibilidade, de políticas públicas para mulheres e o público LGBT e proteção à criança e ao adolescente.

A época também é de grande importância para o cenário econômico de Caruaru: mais de 200 milhões de reais devem ser movimentados neste ano. Cerca de 2,5 milhões de pessoas são esperadas na cidade, e a rede hoteleira conta com mais de 97% de ocupação nos fins de semana. Além de atrações como Bruno e Marrone, Aviões do Forró e o caruaruense Petrúcio Amorim, o público poderá assistir às apresentações de grupos de maracatu e nomes alternativos da música pernambucana como Siba, Eddie e Lenine.

Entre os destaques da região está o Festival de Comidas Gigantes, realizado há 25 anos, que conta com iguarias como os maiores milho cozido, munguzá, chocolate quente, cuscuz e tapioca do mundo. Desta vez, são 28 comidas típicas gigantes, cada qual com uma festa dedicada, adentrando até o mês de julho. A grandiosidade dos eventos pode ser representada pelos ingredientes do Maior Arroz-Doce do Mundo: 40 quilos de arroz, 40 latas de leite condensado, 40 quilos de açúcar e 4 quilos de coco ralado.

E tradição é o que não falta. Também acontecem neste mês os encontros e o desfile de Bacamarteiros. Os grupos homenageiam santos padroeiros com tiros de pólvora seca, sem balas, disparados pela arma alcunhada bacamarte. A formação local mais antiga de Caruaru é o Batalhão 41, fundado em 1851. Desde o fim do século XIX, eles se exibem nas festas juninas da região.

Já as festas na Capital do Forró de Pernambuco tornaram-se mais populares por volta da década de 1970, vindas das zona rural – as primeiras apresentações de quadrilhas e cirandas na área urbana da cidade datam de 1972. Hoje, os principais festejos são realizados no Pátio de Eventos Luiz Gonzaga.

O mês de junho tem a festa mais bonita

São João de Caruaru

Pátio do Forró em Caruaru (Prefeitura Caruaru/Divulgação)

Competições à parte, todo mundo sabe: Caruaru e Campina Grande respiram cultura e festividades juninas. As duas cidades se esforçam para promover celebrações mais grandiosas a cada ano. Qual delas leva a melhor? Só podemos afirmar: para o orgulho local e a felicidade dos inúmeros turistas, estar no Nordeste neste mês é ter a certeza de que se vai encontrar as maiores e melhores festas de São João do planeta.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 × três =