Borges em todos os verbetes

0

A enciclopédia “Borges Babilônico” revela a face alegre e a erudição boêmia de Jorge Luis Borges, escritor argentino que virou mito da literatura do século 20

Crédito: Marcello Mencarini/Leemage

MESTRE O escritor Jorge Luis Borges em 1981: mesmo cego, fazia questão de frequentar lugares públicos e conversar (Crédito: Marcello Mencarini/Leemage)

O escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986) é tanto um mito literário do século 20 como uma espécie de unguento para os males da inspiração dos intelectuais. “Sim, Borges é a panaceia universal”, afirma Jorge Schwartz, crítico e professor de Literatura da USP. “Clássicos como Cervantes, Kafka, Fellini também viraram panaceia. Não dizemos hoje ‘quixotesco’, ‘kafkiano’ ou ‘felliniano”, sem precisar conhecê-los?”

Que significa “borgiano”? Quem foi o ser humano Borges? Onde se fundamenta sua erudição? São perguntas que Schwartz responde em “Borges Babilônico — uma Enciclopédia” (Companhia das Letras), que levou duas décadas para organizar, com
a colaboração de 60 especialistas. O volume com 580 páginas compreende mil verbetes que, percorridos, permitem conhecer as fontes do saber “borgiano”. O livro oferece imagens e definições sobre obras, personagens, mitos, artistas, cientistas e filósofos que ele menciona, bem como entradas para temas que o preocuparam, como “matemáticas”, “felicidade” e “valentia”“.

AMOR Borges, aos 85 anos, com a companheira María Kodama em São Paulo, em 1984 (Crédito:Renato dos Anjos/Folhapress)

Mas não esgota o assunto.

“Não é possível descobrir hoje um novo Borges”, diz Schwartz. Ele propõe um “outro Borges”, humano, feliz e até autocomplacente. Apesar da reputação de erudito, ele aprendeu nos livros (ficou cego aos 50 anos e passou a contar com secretárias que liam para ele) e nas mesas dos cafés portenhos, entre poetas, atrizes e malandros. Foi apaixonado pelas mulheres, as tradições argentinas e, acima de tudo, a cultura universal.

Nome errado

O volume traz uma anotação que Borges redigiu sobre si próprio como epílogo da edição das “Obras Completas” de 1974. Planejado para constar de uma certa “Enciclopedia Sudamericana” a ser publicada no Chile em 2074, erra o nome de propósito, grafando-o assim: “Borges, José Francisco Isidoro Luis: autor e autodidata, nascido na cidade Buenos Aires, então capital da Argentina, 1899. A data de sua morte é ignorada, já que os jornais, gênero literário da época, desapareceram durante os magnos conflitos que os historiadores locais agora compendiam.” Adiante: “Agradava-lhe pertencer à burguesia, atestada por seu nome. A plebe e a aristocracia, devotas do dinheiro, do jogo, dos esportes, do nacionalismo, do sucesso e da publicidade, pareciam-lhe quase idênticas. Em 1960, filiou-se ao Partido Conservador, porque (dizia) é indubitavelmente o único que não pode suscitar fanatismos.”

No verbete “Brasil”, figura um fato ignorado por muitos estudiosos. Em agosto de 1984, Borges e a companheira María Kodama visitaram São Paulo para participar de palestras e encontros. Schwartz ciceroneou o casal. Dos encontros, lembra, “saiu todo mundo enfeitiçado pela figura quase messiânica naquele momento, Borges cego e aos 85 anos de idade”. Ele recorda uma curiosidade: “No hotel Maksoud, onde se hospedou, ele gostava de tomar o café da manhã no salão da entrada, com María Kodama. Sempre elegante, de terno e gravata, ele poderia tomar o café no quarto. Borges adorava ter interlocutores, e eu não perdi a chance de chamar amigos para vê-lo tomando o café, mesmo que não conseguissem chegar perto dele para conversar. Essa, eles me devem!”

O episódio não consta do volume. Mas outro ainda mais obscuro é registrado ali: a visita de 1984 foi a terceira que Borges fezao Brasil. Quando criança, foi a Santana do Livramento, onde testemunhou o assassinato de um gaúcho. Em agosto de 1970, viajou a São Paulo. Na ocasião, ministrou uma palestra no Curso de Madureza Santa Inês, no bairro da Liberdade. Segundo Schwartz, ainda existe um registro sonoro desse “fato quase fantástico”.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 − 15 =